Sábado tem palestra sobre Eurípedes Barsanulfo, o apóstolo da caridade

25/05/2018 16h23

Eurípedes Barsanulfo - o apóstolo da caridade Eurípedes Barsanulfo - o apóstolo da caridade

O expositor Wellington Gonçalves da Federação Espírita de Mato Grosso do Sul (Fems) expõe neste sábado, 26, sobre um dos importantes vultos do espiritismo: Euripedes Barsanulfo que, no seu apostolado trabalhou como médium de cura e também é considerado o precursor da Pedagogia Espírita, no Brasil.

A palestra inicia às 19h30, no Centro Espírita Amor e Caridade, situado na Avenida Presidente Vargas, 796, centro de Dourados. No domingo, 27, o expositor vai abordar sobre "Eutanásia: Exercício de um direito? A visão abrangente da espiritualidade", no Centro Espírita André Luiz, em comemoração ao aniversário da casa. O endereço é Rua Mohamad Hajj, 835, no Parque Alvorada.

Wellington Gonçalves é juiz do trabalho e vice-presidente de Unificação da Federação Espírita da Fems. A realização dos eventos é da União Regional Espírita de Dourados /URE e Fems.

Euripedes Barsanulfo nasceu em Sacramento, Minas Gerais , em 1 de maio de 1880, teve como pais Hermógenes Ernesto de Araújo e Jerônima Pereira de Almeida. Desde cedo apresentou ser de caráter bondoso e dono de uma inteligência brilhante. Pretendia fazer Medicina no Rio de Janeiro, mas não o fez motivado pelos inexplicáveis e constantes desmaios da mãe. Montou uma pequena farmácia homeopática para atender à população, e aos 22 anos fundou, junto com outros professores da cidade, o Liceu Sacramentano. Era querido por toda a cidade, protegido por padres e bispos da igreja, como dedicado católico que era.

Mas, de repente, Eurípedes se vê confrontado pelo Espiritismo. Seu tio, Mariano da Cunha Júnior, que fora materialista, emprestou a ele o livro de León Denis, "Depois da Morte". "Realmente este livro é um monumento!", disse Barsanulfo ao tio. A partir daí passou a frequentar algumas reuniões mediúnicas num vilarejo vizinho, Santa Maria, onde presenciou fenômenos que o convenceram da sua veracidade, abrindo um novo rumo existencial. As reações por ter escolhido a Doutrina Espírita começaram a chegar à vida de Eurípedes.

A população local começou a dizer que o professor Eurípedes estava louco. Os companheiros do Liceu abandonaram seus cargos. Abatido, Barsanulfo encontrava-se só e ocorreu ali uma intervenção espiritual de Maria, Mãe de Jesus, junto dele que estabeleceu as seguintes diretrizes: fechar o Liceu e abrir um colégio. Fundou o Colégio Allan Kardec, em 1º de abril de 1907, que se tornou verdadeiro marco no campo do ensino, instituindo um curso de astronomia para todos os alunos e o ensino do Espiritismo em dia especialmente consagrado a esse fim, conforme orientação espiritual recebida.

Esse instituto de ensino passou a ser conhecido em todo o Brasil, tendo funcionado ininterruptamente desde a sua inauguração, com a média de 100 a 200 alunos, até o dia 18 de outubro, quando foi obrigado a cerrar suas portas por algum tempo, devido à grande epidemia de gripe espanhola que assolou o país. A primeira experiência pedagógica espírita no Brasil foi sem dúvida a de Eurípedes Barsanulfo.

Mediunidade de cura - Sob pressões de toda ordem e impiedosas perseguições, Eurípedes sofreu forte traumatismo, retirando- se para tratamento e recuperação em uma cidade vizinha, época em que nele desabrocharam várias faculdades mediúnicas, em especial a de cura, despertando- o para a vida missionária. Um dos primeiros casos de cura ocorreu justamente com sua própria mãe que, restabelecida, se tornou valiosa assessora em seus trabalhos. A produção de vários fenômenos fez com que fossem atraídas para Sacramento centenas de pessoas de outras paragens, abrigando- se nos hotéis e pensões, e até mesmo em casas de famílias, pois a todos Barsanulfo atendia e ninguém saía sem algum proveito, no mínimo o lenitivo da fé e a esperança renovada e, quando merecido, o benefício da cura, por meio de bondosos Benfeitores Espirituais.

Barsanulfo seguiu com dedicação as máximas de Jesus Cristo até o último instante de sua vida terrena, por ocasião da pavorosa epidemia de gripe que assolou o mundo em 1918, ceifando vidas, espalhando lágrimas e aflição, redobrando o trabalho do grande missionário, que a previra muito antes de invadir o continente americano, sempre falando na gravidade da situação que ela acarretaria. Manifestada em nosso continente, veio encontrá-lo à cabeceira de seus enfermos, auxiliando centenas de famílias pobres. Havia chegado ao término de sua missão terrena. Esgotado pelo esforço despendido, desencarnou no dia 1º de novembro de 1918, às 18 horas, aos 38 anos, rodeado de parentes, amigos e discípulos. Sacramento em peso, em verdadeira romaria, acompanhou- lhe o corpo material até a sepultura, sentindo que ele ressurgia para uma vida mais elevada e mais sublime.

Fontes 1. Grandes Vultos do Espiritismo http://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2012/06/Euripedes-Barsanulfo.pdf 2. Pedagogia Espírita, um projeto brasileiro e suas raízes/Dora Incontri

Texto: Fátima Frota