Margarete Áquila: a mente é o caminho para chegar ao divino que há em nós

22/04/2018 11h03

 
Foto: Aparecido Frota Foto: Aparecido Frota

Mudar o que tem que ser mudado, aceitar humildemente o que não pode ser mudado. Essa é a grande lição para a felicidade e evolução interior. Esse foi o enfoque da palestra de Margarete Áquila, psicanalista, cantora escritora e hipnóloga durante a 4ª Semana Espírita de Dourados.

Para falar do tema e facilitar o entendimento, Margarete comparou a mente, a uma casa de três andares, sendo o primeiro o subconsciente, ligado ao passado e que se reflete como um porão dessa casa mental, onde está retratada toda a nossa história pretérita, as conquistas e vícios de nossas vidas. Aí guardamos os nossos lixos, medos, inseguranças. A nossa mente trabalha inteira para esse passado, porque ela é estruturada para buscar referências, ou seja, buscar o passado.

Se tivermos muito lixo guardado, ao pensar, o que é que vamos encontrar como referência? Um monte de coisas inúteis, daí a importância de fazermos uma faxina na vida mental. O nosso inconsciente detém 90% das informações, que não ficam guardadas apenas no porão da nossa casa mental. Ele tem um processamento gigantesco na hora das tomadas de decisões. Segundo dados científicos, a cada informação que chega ao consciente, simultaneamente outras 200 mil são processadas no inconsciente. Isso significa que, quem decide a nossa vida é o inconsciente e é por isso que, muitas vezes não sabemos porque decidimos certas coisas. Todo esse lixo armazenado está servindo de base para as nossas decisões porque ainda não sabemos usar ferramentas para decidir o que é melhor.

Dentro do nosso inconsciente estão os desejos, medos, crenças e vícios mas também muitas habilidades. Tudo o que censuramos, que não gostamos, as más tendências e o que é abominável nessa encarnação jogamos para o inconsciente, provocando um alto nível de tensão interior. São nossas sombras atuando e amedrontando no dia a dia que nos faz escravos através do apego ao sentimentos e emoções como o medo, a ansiedade, o desejo, o egoísmo, o poder, a raiva, o controle sobre tudo e tantas outras más inclinações. Por isso a necessidade da limpeza em nosso porão para a libertação dessas ilusões do mundo material.

É como se estivéssemos presos a uma bola de ferro, por reencarnações sucessivas, errando nos mesmos lugares com as mesmas pessoas, muito provavelmente. Mas surgem a doutrina espírita e outras ciências e nos proporcionam a chance, que talvez não tivemos em nenhuma outra encarnação, de realmente compreender quem somos e darmos uma alavancada em nossa evolução, nos comprometendo a buscar os nossos locais mais sagrados.

O consciente é o térreo da nossa casa interior, explica Margarete Áquila, onde está o presente, a atual encarnação, onde estão os desafios, as provas, as expiações e todas as lições evolutivas. E no andar acima do térreo, está o nosso superconsciente, que é o nosso futuro, onde iremos chegar, onde está o divino em nós.

Esses locais sagrados já existem, só não acessamos ainda. É o que acontece quando nos deparamos com as incertezas e dificuldades e procuramos incansavelmente por uma solução. Mas cadê essa resposta, como chegar à solução? Ela está dentro de nós, em locais de acesso superior, para onde precisamos dar um salto, saindo do subconsciente, passando pelo consciente e chegando ao superconsciente, que é de fato a ligação com nossa essência divina, quando vamos conseguir acessar o Deus que existe dentro de nós. Isso significa uma mudança de nível, de estado de consciência. Quando nos abrimos para o amor começamos a abrir os canais que nos aproximam do sagrado, passamos a entender que as leis divinas e as leis universais é que nos levam para o caminho da felicidade e da evolução.

Compreensão, perdão, misericórdia, resiliência, fé, gratidão, esperança são as grandes ferramentas que abrem esses canais, e dessa forma estaremos prontos a tomar grandes decisões. Quando estamos no mundo da ilusão material, não conseguimos tomar boas decisões. Qualquer decisão tomada com os nossos apegos e nossos medos, serão muito erradas, baseadas na ilusão da matéria. Essas decisões nos farão sofrer e também aos outros.

Quando agimos com amor, utilizando as ferramentas do bem, temos condições de pensar muito mais, de perdoar, compreender e encontrar condições de novamente tentar corrigir as diferenças e viver em harmonia.

Margarete enfatiza que as dificuldades são o grande impulso evolutivo. "A perfeição divina do criador nos moldou a mente, impulsionando queiramos ou não, para frente, para o crescimento e evolução. Se evoluímos, vamos subindo em nossa escala, vamos transformar o inconsciente em superconsciente, acessando todos os recursos que temos em nossa centelha divina".

Autora: Dalva Gonçalves para Vozes Espíritas