“Que isso, vovó?”: aproveite o momento para evangelizar

17/06/2016 10h05

Os livros estavam sobre a mesa chamando a atenção dele. Ao pegá-los, a curiosidade, característica própria de uma criança de quase três anos, falou mais alto: "Que é isso vovó?". Apontando para as imagens ilustrativas do livro, a vovó responde que são Jesus e Allan Kardec. Repita os nomes, Matheus: "Allan Kardec e Jesus. Eles estão no céu, vovó?"

Os evangelizadores vivenciam este tipo de experiências nos centros espíritas. Da relação dialógica entre o neto e a vovó, muitos ensinamentos podem ser realizados.

Assim como Jesus, o Evangelizador pode usar o método aplicado pelo Mestre, que partia das situações da vida cotidiana, das experiencias mais próximas e depois estabelecia generalizações. Isto significa que não podemos perder oportunidade de ensinar a partir do nível de entendimento da criança ou do jovem.

Ao responder "Esta é a imagem de Jesus", a vovó disse o que o neto queria saber naquele momento. Ela partiu do simples: a imagem que chamou a atenção do neto. Em seguida foi para o complexo: "quem ele é?". O neto respon-deu: "Papai do céu". A resposta dele representou as experiências socioculturais e espirituais, apesar da idade de três anos. Então a vovó acrescentou uma informação importante, dizendo que a imagem é de Jesus, o nosso irmão. Bastou para o neto saber apenas isso. Mas é o começo para iniciar o ensinamento sobre o "papai do céu e Jesus".

Partindo de uma situação dialógica, assim era um dos procedimentos didáticos de Allan Kardec, o evangelizador introduz os conceitos sobre os assuntos contidos no currículo da evangelização.

Uma reflexão podemos fazer a partir do exposto: Não chegue com o conteúdo pronto e repasse como se os evange-lizandos não sabem de nada. É preciso Lembrar que os educandos são espíritos reencarnantes e trazem experi-ências de vidas passadas. A sugestão é aproveitar o universo e os tesouros guardados no íntimo de cada um deles. Jesus, sempre respeitou a individualidade de cada pessoa que ele atendia, oferecendo atenção, carinho e de uma forma envolvente.

Para facilitar o trabalho dos evangelizadores, a divisão dos conteúdos estão de acordo com a idade de cada grupo de evangelizando e o nível de desenvolvimento psicológico. Para dinamizar o processo de ensino, não esqueça, também, de usar recursos visuais variados, como por exemplo, vídeos, jogos, histórias da vida real, desta forma, o aprendizado ganha significados.

Como fazer tudo isso? Simples: faça um levantamento prévio com os estudantes sobre os assuntos que desejam aprender. Apresente vídeos com histórias ou livros de histórias, revistas, gibis, sobre vários temas que estão no curriculo. De uma forma legal, deixe os recursos aos olhos dos educandos. Deixe-os à vontade e peça que escolham o que desejam aprender. A partir deste levantamento, vá ao subsidio curricular e prepare sua aula. Para iniciar o ensino , nada como uma pergunta base: "O que é isso?"; o que vocês entendem sobre esse assunto? Concordam ou não? Qual a sua posição? enfim, envolva a todos para que exponham o pensamento sobre os aspectos do tema... e aí é se deliciar com os comentários. Ao final, arremate o assunto valorizando o pensamento coletivo construído por todos os educandos e apresente os conceitos contidos na Doutrina Espírita.

Mãos à obra! Vale a pena!

Fátima Frota - Pedagoga espírita