Caravana do Evangelho faz 10 anos e público lota o 1º Encontro de Corais Espíritas

23/10/2017 11h24

Abertura do evento com o Grupo Caravana do Evangelho Abertura do evento com o Grupo Caravana do Evangelho

O primeiro Encontro de Corais Espíritas comemorou o aniversário de 10 anos do grupo Caravana do Evangelho, da União Regional Espírita (URE) de Dourados, que tem como meta promover a evangelização por meio da música espírita. Os grupos A Voz do Cruzado Pantaneiro, Bezerra de Menezes e Coral Espírita Scheilla entoaram canções do repertório universal, espírita e cristão com interação do público presente. O evento ocorreu no último sábado (21) e lotou o cineauditório da Reitoria da Universidade Federal da Grande Dourados.

O Caravana do Evangelho abriu a festividade e brindou a platéia com as primeiras músicas cantadas por eles, no inicio da formação do grupo de canto, em 2007. Em seguida, foi a vez do Grupo A Voz do Cruzado Pantaneiro, formado pela Cruzada dos Militares Espíritas de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e que objetiva divulgar o Cristianismo Redivivo à luz da Doutrina Espírita, em forma de canção e com alegria, levando a esperança de que amanhã será sempre um dia melhor.

A noite comemorativa também recebeu o Grupo de Canto Bezerra de Menezes e o Coral Espírita Scheilla, fundado em 20 de agosto de 1986 para divulgar a Doutrina Espírita e o Evangelho de Jesus por meio do canto coral, regido pelo maestro Fabio Bernobic.

O aniversariante da noite, o Caravana do Evangelho, fechou o evento com as belíssimas canções "O amor é tudo", composição do Grupo Luz; "Ama", composição de Lucia Milluzi e Moacyr Camargo; "Aleluia", composição de Leonardo Cohen e versão da cantora Elizabete Lacerda. Atualmente, o grupo conta com a colaboração da maestrina Rita Mathias, do violonista Laércio Bonifácio, das participações especiais do saxofonista Denilson Siqueira e dos integrantes vocais de várias instituições espíritas da cidade. O evento teve a participação do "Quarteto do Jesus de Nazaré", do cantor Kleydison Cesar Kiko e declamação de poesias com Ilda Vieira Genoud ( Campo Grande) e a mensagem para a Paz, com Patricia Helena Teixeira ( Dourados.)

CARAVANA DO EVANGELHO

Tudo começou em abril de 2007, quando a União Regional Espírita de Dourados elaborou uma programação de visitas às Casas Espíritas da região, alusivas ao 150 anos de O Livro dos Espíritos. Ao mesmo tempo, havia um grupo de Estudos Aprofundados da Doutrina Espírita, também promovido pela União Regional de Dourados,nas dependências do Centro Espírita Bezerra de Menezes. Entre os diversos participantes deste grupo, estavam os confrades Cleber, Manoel, Marineide e Jovina, os quais desde sempre são amantes da música espírita. Então, propuseram ao grupo de estudos para todos os finais de aula cantarem algumas músicas. No decorrer de algumas semanas, surgiu outra ideia: formar um grupo de canto. Este grupo não teria intuito de ser um coral, sim uma reunião de pessoas para levar o evangelho em forma de música. E assim iniciava, sem grandes pretensões, um grupo de amigos que gostavam de cantar. As primeira apresentações ocorreram na cidade de Fátima de Sul na programação alusiva aos 150 anos do Livro dos Espíritos.

Aos poucos o grupo foi agregando pessoas interessadas em cantar e tocar, mas foi a partir de um sonho tido pela Jovina Nevoleti, que nasceu o "Caravana do Evangelho". A partir daí, foi necessário deixar o amadorismo, pois era crescente o número de convites para cantarem nas casas espíritas e ninguém do grupo entendia sobre separação de vozes e harmonização. Então o grupo resolveu contratar um profissional. Houve algumas tentativas, até chegar àquela que seria não apenas a maestrina oficial, mas também uma grande incentivadora do grupo, Rita Mahtias.

Jovina Nevoletti destaca que uma marca da caravana em seu início, era a vontade imensa de divulgar o evangelho e não havia a preocupação de ser um grupo grande, e sim a preocupação de levar alegria para as pessoas que buscavam o alento na Boa Nova. "No início eram utilizadas sempre músicas muito simples, e o público sempre convidado a cantar também. Mas como o projeto não era daquelas quatro pessoas, e sim um projeto maior da compreensão dos seus criadores, ela foi criando forma e por onde foi passando foi deixando marcas indeléveis nos corações das pessoas", disse a coordenadora da URE.

Ainda segundo Jovina, "quando se fala Caravana, ela não marca essa ou aquela pessoa, ela marca todos e todos com suas marcas, e isso faz que seja uma Caravana: pessoas tão diversas com um ideal comum. Hoje quando se olha a Caravana, com sua divisão de vozes e harmonia, e olhamos para trás e vemos aquele início tão simples e despretensioso, mas com sinceridade de propósito, vemos que o futuro dela é apenas se propagar e jamais se apagar".

Fotos: Aparecido Frota