Por que não criamos nossos filhos para serem como Jesus Cristo?

12/03/2018 07h33

Imagem: Candy Cane Press Imagem: Candy Cane Press

Quase uma unanimidade entre todas as religiões, Jesus Cristo, que teve sua concepção de forma divina e já aguardada por muitos anos, é considerado o exemplo do ser humano mais perfeito que já habitou a Terra.

Mesmo tendo uma existência física difícil, cheia de desafios e sofrimentos, onde foi traído, preso, humilhado, torturado e teve a morte de seu corpo físico com requintes de crueldade, Jesus viveu de forma plena tendo o amor, a fraternidade, a igualdade, a caridade e a compaixão como balizadores de sua caminhada. Deixou-nos inúmeros ensinamentos e orientações, seja de forma direta ou através de parábolas. Teve sua vida registrada através de vasta literatura, inclusive a Bíblia Sagrada, sendo considerado a pessoa mais influente e popular da história da humanidade, representando um marco temporal desta história, que se divide em "antes de Cristo" e "depois de Cristo".

Mas se Jesus Cristo é tão admirado, referenciado como guia e modelo perfeito para que os homens se espelhem em suas atitudes e se tornem pessoas melhores, por que não criamos nossos filhos para serem como Jesus Cristo?

Devido ao fato de vivermos em um mundo cheio de riscos e incertezas, criamos paradigmas de educação que visam uma preparação de nossos filhos para sobreviverem e se defenderem neste panorama caótico, mas nos esquecemos de criarmos modelos educacionais que preparem crianças para modificarem este cenário. Por isto, criamos nossos filhos para serem fortes, rápidos, inteligentes e, no entanto, nos esquecemos de formá-los benevolentes, justos, indulgentes e caridosos.

Quando aprendermos a ter mais fé em Deus e acreditarmos que embora o nosso barco esteja navegando águas turbulentas, temos alguém no comando que sabe o que faz. Quando vencermos nosso orgulho e não querermos mais projetar nossas vaidades e desejos em nossos filhos, como se eles pudessem suprimir nossas imperfeições, teremos coragem de educarmos crianças cristãs que se preocupem em viver pelo amor, fraternidade, igualdade e caridade; construindo desta maneira, no futuro, um mundo melhor e mais justo!

A Doutrina Espírita tem sua base moral no Evangelho de Jesus Cristo e o tem como modelo a ser seguido.

Autor: André Leandro Franchi - Servidor Público