Allan Kardec: uma homenagem

04/10/2018 07h58

Em outubro, mais especificamente no dia 3 em Lyon Na França no ano de 1804, nascia Allan Kardec cujo nome de batismo era Denisard Hippolyte Léon Rivail. Foi educador, escritor e tradutor francês. O pseudônimo Allan Kardec foi adotado quando se interessou pelas manifestações dos espíritos no intuito de diferenciar seus escritos espíritas das suas obras pedagógicas anteriores. Segundo consta esse pseudônimo foi um espírito que revelou a ele terem vivido juntos entre os Druidas na Gália. Desde muito cedo Allan Kardec demostrou interesse no estudo das ciências e também da Filosofia e Letras. Em 1834 iniciou sua carreira de professor publicando diversas obras sobre educação, tornando-se membro da academia de Ciências Naturais. Lecionou as disciplinas de Química, Física, Matemática, Astronomia, Fisiologia, Retórica, Astronomia Comparada e Francês. Falava fluentemente cinco línguas: Alemão, inglês, a língua holandesa, o italiano e o espanhol.

Como pedagogo lutou por uma maior democratização do ensino público da época.

Atribui-se a Allan Kardec como sendo o criador do Espiritismo, fato que tem gerado muitos equívocos nas crenças das pessoas, pois não raras às vezes escutamos algumas críticas ao Espiritismo por considerarem que não é uma religião cristã, uma vez que veneramos Kardec e não Cristo. Essa crença demonstra desconhecimento do que é o Espiritismo, pois é Jesus Cristo o nosso único Senhor. Kardec foi o codificador das manifestações dos espíritos que desde os primórdios dos tempos já existia. É claro que temos uma grande consideração e respeito a Allan Kardec, pois pelo seu espírito investigativo e inteligência trouxe para nós a compreensão de que a morte não existe, que o espírito continua existindo vivendo em outra esfera da realidade que é a sua verdadeira morada.

Como Kardec começou sua investigação? Foi a partir de 1855 quando teve conhecimento dos fenômenos das "mesas girantes" e também a partir do fenômeno da escrita mediúnica, quando começou a se comunicar com os espíritos dando início ao seu trabalho de explicar tais fenômenos. Kardec estava convencido de que essas manifestações devia ter procedência de alguma força inteligente, uma vez que os movimentos das mesas respondia a perguntas bastante complexas, abordando conceitos filosóficos, científicos e morais. Faz-se necessário dizer que essas manifestações das mesas girantes ocorreram em várias partes do mundo, simultaneamente, com respostas iguais em todas as partes do mundo para as questões a ela feitas, mas foi por volta de 1853 que essas ocorrências se dão na França, chamando a atenção de nosso cientista e filósofo.

Kardec baseado por critérios científicos catalogou, de forma didática, e codificou todas as informações trazidas pelos espíritos nas mais diferentes manifestações, sejam das mesas girantes ou outras formas de comunicação. Assim, publicou 5 livros conhecidos pelo termo Codificação Espírita, que são: O Livro dos Espíritos; O Livro dos Médiuns; O Evangelho Segundo o Espiritismo; O Céu e o Inferno; A Gênese. O Livro dos espíritos é considerado o marco de fundação do Espiritismo.

O Espiritismo, popularmente, adquiriu o termo "Kardecismo" dando a falsa ideia de que ele é de autoria de Allan Kardec, no entanto, ele mesmo foi contra essa ideia e afirmou a necessidade de se chamar a doutrina dos espíritos de Espiritismo, pela particularidade de seus ensinamentos e fundamentos os quais não existem em qualquer outra religião ou seita. O Livro dos Espíritos traz os fundamentos e informações dos espíritos sobre a vida, sobre a morte, a existência dos espíritos, a manifestação destes, a reencarnação, a existência de Deus entre tantos outros ensinamentos.

As obras espíritas tratam de temas religiosos, sob a visão da Moral Cristã, tendo por princípio o amor ao próximo em que o conceito primordial para se buscar o aprimoramento espiritual é por meio da caridade aos nossos semelhantes, cumprido coma máxima de Jesus Cristo que diz "Fora da caridade não há salvação". O Espiritismo se caracteriza por ser uma filosofia, religião e ciência em uma integralidade para se conhecer a realidade não podendo ser analisada apenas por um dos aspectos para não se correr o risco de condução ao ceticismo, fanatismo ou até mesmo a sua negação..

Allan Kardec faleceu vítima de um aneurisma cerebral com a idade de 64 anos em Paris, no dia 31 de março de 1869.

Autora: Maria Gladis Sartori Proença - Professora universitária aposentada